sexta-feira, 14 de julho de 2017

How many secrets can you keep?
'Cause there's this tune I found that makes me think of you somehow

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Os meus medos



Há mais de 30 anos que convivo diariamente com medos. Há tantos que os supero diariamente. 
Quando entrei para a escola primária chorava todos os dias. Sentia medo... Um medo que é inexplicável, como se temesse que o mundo pudesse acabar de um segundo para o outro. 
Chorava todos os dias, e ainda hoje não sei os motivos. 
Pensei que nunca iria conseguir andar na escola até à Universidade. Pensei que nunca conseguisse ter amigos. Estava errada. 
Enfrentei os meus medos tantas vezes, mas nunca parei. Chorei quando entrei para o secundário e entrei numa turma de desconhecidos. Chorei quando fui para a Faculdade e não me senti um deles. Mas consegui! 
Fui trabalhar e não senti tantos medos, fui acompanhada de um ex colega, de um amigo. E a minha vontade de ser independente financeiramente era muito maior ao medo do desconhecido. 
Voltei a enfrentar fantasmas. Achei sempre que eu não era a pessoa certa para aquela posição. Achei sempre que todos iriam perceber ao fim de 24 horas que eu era a escolha errada.
Fui ficando... Fui sendo elogiada. Ganhei estatuto, ganhei prática. 
Hoje segunda-feira, estou num novo trabalho há 2 meses e meio e sinto aquele medo típico de segunda-feira. 
O medo de achar que não vou conseguir. Aquele medo que me segreda ao ouvido de segundo a segundo "Não vais conseguir". 
Mas eu insisto, persisto. Não posso baixar os braços, não agora, não ainda. 
Começo todas as segundas-feiras a pensar que fantástico seria se o euromilhões me saísse esta semana... Começo a semana com a esperança de me sair o Jackpot e poder finalmente ser aquilo que quero. Não ter que viver com este medo rídiculo todos os dias...

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

às 21 semanas...

Acordo irritada, stressada e cansada... Por mim dormiria mais 1 ou 2 horas... mas tenho que me levantar para ir para o trabalho!
Começa cedo a demanda pela roupa que vou vestir... Os vários pares de calças já não me servem, e para já tenho apenas 3 que vou rodando (sendo que um dos pares está no cesto da roupa suja para lavar!).

Faço a minha higiene, visto-me e penso "hoje não me vou maquilhar", pensamento esse que se evapora rapidamente assim que me olho ao espelho... "não! não posso sair assim de casa!". Base, sombras, lápis, rimel, baton...perfume... pronto, pronto... está melhor, já disfarça estas manchas que me teimam em aparecer no rosto!
Ontem à noite o cansaço era tal que me deitei sem por cremes na barriga... Hoje de manhã constato a triste realidade de ter uma pequena estria no peito... "eu sabia que devia por creme de manhã e à noite! Eu sabia!".

Saio de casa a correr, já passa das 8h30 e eu entro às 9h00... dada o trânsito caótico da manhã vou chegar atrasada, sei que vou.
Mas esperem, faltam os comprimidos... Eutirox e Folifer... E sim, tenho que partir o Folifer em 2 (e às vezes em 4) porque não consigo engolir tamanha monstruosidade em jejum.... num passe de mágica engulo os comprimidos 2 em segundos e agora sim, lá vou eu escada abaixo (mas devagar) para não tropeçar em nenhum degrau e não causar nenhuma desgraça.

São 9h15, já estou no trabalho, sem saber como cheguei a horas decentes, dadas as horas tardias a que saí de casa. Estou aflita para ir ao WC... vou pousar a mala, ligar o PC e corro para o WC. Reparo no espelho que o cabelo apesar do aspecto fantástico que apresenta, está todo despenteado... dou um jeitinho com os dedos...
Vou por os tapperwares no frigorífico, escada acima, escada abaixo. Durante o dia subo e desço mais escadas, que a criança quando nascer deve começar a perguntar-me porque raio nunca andava de elevador!

Sento-me e começo a trabalhar antes das 10h00, não tarda para que comece a sentir um apertozinho de leve, e me lembre "ainda não comi nada hoje". É hora de comer o meu pão matinal, sentada à secretária, enquando vou trabalhando...
Abro os e-mails pessoais, dou uma vista de olhos rápida ao Facebook. Fecho tudo e começo o dia de trabalho. A meio da manhã lembro-me que ainda não bebi água nenhuma (excepto o copo de água com que tomei os comprimidos pela manhã). Faço um esforço para me obrigar a beber água, mas sede é zero...

Faço uma pausa para comer um snack a meio da manhã, mas sem nunca levantar o rabo da cadeira... e quando olho para o relógio já são horas de almoçar.

2ª guerra do dia, chegar cedo para arranjar um lugar à mesa... às cinco menos uma apresso-me escada abaixo para garantir o meu lugar.

30 minutos depois e estou de partida para o Centro Comercial mais próximo... só para sair daqui, só para apanhar ar, andar, desanuviar.
Regresso às 14 horas. E a tarde repete o ritmo da manhã, mas custa... se custa... Acho que ela não gosta dos finais de tarde, com a quantidade de pontapés que me começa a dar às 5 da tarde (e só pára quando me levanto para ir para casa!).

Chego a casa depois das 19h30, está frio, estou cansada... subo quatro andares, vou para o banho, preparo o almoço do dia seguinte, e como qualquer coisa... São nove e tal da noite quando me sento um pouco no sofá... estou cansada, dói-me as costas, o corpo pede cama, e ela também...
Deito-me entre as 22h30 e as 23horas... Derriada, sem paciência para nada. Desejo apenas dormir a noite toda sem precalços...
Uma da manhã acordo, estou cheia de calor, tiro algumas peças de roupa, bebo água, vou ao WC.
Três da manhã acordo, tive 2 ou 3 pesadelos, estou agitada, o coração aos saltos... Não ouço carros na estrada... Quero dormir!!!
Quatro, cinco da manhã... Acordo, não sinto desconforto nenhum, acordo porque sim... ela está a mexer... será disso?
Toca o despertador... o P. acorda-me com beijinhos, e eu só quero dormir... :(

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Pensamentos


Às vezes dou por mim a viajar mentalmente e penso... "Podia escrever isto!" Mas constato que a velocidade dos meus pensamentos é muito superior à minha rapidez de escrita (seja ela manual ou digital). E lembrei-me... Será que já inventaram um pequeno dispositivo que de um modo quase mágico permitisse transcrever todos os nossos pensamentos? Seria fantástico não acham?

Claro, tal aparelhómetro não estaria sempre a "gravar" pensamentos. Teríamos que accionar a opção "começar a gravar" para que tal acontecesse...
E depois era passar esse pensamento para um blog, um documento de word, ou um qualquer dispositivo digital... Seria magnífico?

Imaginem se fosse possível seguir esta mesma dinâmica em relação ao controlo do telemóvel?  Seria fantástico, enquanto temos as mãos ocupadas poder telefonar, enviar sms só através do pensamento...

Sim... hormonas de grávida dão-me ideias fantásticas!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Não é uma questão de tempo

Perguntaram-me se não ia depressa demais...
Conhecer alguém, namorar, comprar casa, casar, ter filhos... foram 3 anos desde que assumimos a relação. Perguntaram-me se não ia depressa demais...

E eu pergunto... Há tempo estipulado para a felicidade? Não olho para os meses, anos que passaram. Olho para o futuro, para tudo o que quero fazer com ele, ao lado dele. Quero fazer tudo, ou tentar fazer tudo. Não quero olhar para trás e sentir que não vivi. Isso sim... é não aproveitar o tempo...

Disseram-me hoje "não perdes tempo", com ar de desdém, como quem acha que ando depressa de mais.
A essas pessoas... preocupem-se com a vida delas enquanto eu vou vivendo a minha!


terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Pêssego...

Dizem que um bebé com 14 semanas tem o tamanho de um pêssego.
Não sei hoje o tamanho que a minha "ervilha" tem, mas com 14 semanas é já uma ervilha bastante grandinha! (uns 7/8 cm ?)

Pois é, é oficial, estou à espera de um rebento para alturas de Julho.
Até agora tem sido tudo tranquilo. Leves, levíssimos enjôos nos dois primeiros meses. Sono, muito sono, nas primeiras semanas... E de resto... nada a apontar!
As duas ecografias que fiz correram super bem e sem precalços, e descobri que tenho um rebento tímido que não quis revelar ainda se é menino ou menina!

2016 começa assim com uma certeza de que tudo será diferente (e certamente melhor) este ano!